Prevenção do cancro do intestino

1 de Dezembro de 2013

Cancro do cólon: como prevenir?

Combater o cancro que mais mata em Portugal passa por uma dieta rica em vegetais, exercício físico e deteção precoce, com exames regulares a partir dos 50 anos.

O cancro do cólon e do reto é o que mais mata no nosso país, tanto homens como mulheres: é responsável por mais de 3000 óbitos todos os anos e os números não param de aumentar desde os anos 80. O abandono progressivo da dieta mediterrânica, rica em fibras, entre outras características saudáveis, o recurso cada vez mais frequente à comida rápida e a falta de exercício físico podem ser as principais causas.

Quando o tumor é detetado numa fase precoce, ainda localizado exclusivamente no intestino, a taxa de sucesso dos tratamentos é superior a 95 por cento. Recomenda-se, por isso, o rastreio anual a partir dos 50 anos, através da pesquisa de sangue oculto nas fezes.

Aos grupos de maior risco, aconselha-se uma colonoscopia todos os cinco anos. É o caso dos indivíduos que têm familiares em primeiro grau (pais, irmãos e filhos) com a doença e os que têm história pessoal ou familiar de cancro da mama, endométrio, útero e ovário ou lesão pré-cancerosa no esófago. Quem sofre há mais de 10 anos de doenças inflamatórias crónicas do intestino, como colite ulcerosa ou doença de Crohn, e os que apresentam polipose familiar ou síndrome de Lynch, também devem fazer o exame.

Principais sinais de alarme

  • Alteração nos hábitos intestinais, com episódios repetidos de diarreia ou prisão de ventre que não tinha antes.
  • Vestígios de sangue nas fezes.
  • Cólicas ou dores abdominais.
  • Sensação de que o intestino não esvazia completamente.
  • Falta de apetite e perda de peso inexplicadas.
  • Fadiga inexplicada.

Hábitos que salvam

  • Inclua cinco porções de fruta e legumes crus e cozidos na sua alimentação diária. Consuma também cereais diariamente, como pão, arroz e massa, de preferência integrais, pela sua riqueza em fibras. Limite o consumo de gorduras e de carnes vermelhas.
  • Faça, pelo menos, 30 minutos de atividade física cinco dias por semana e procure ter o peso adequado.
  • Modere o consumo de álcool e evite fumar.
  • Se tiver mais de 50 anos, peça ao seu médico para fazer os exames de rastreio, mesmo que não tenha queixas.
  • Consulte o médico se tiver episódios frequentes de diarreia ou prisão de ventre, sensação de que o intestino não esvazia completamente ou cólicas abdominais. O cansaço, a falta de apetite e a perda de peso sem explicação são outros sinais de alarme.

17 Janeiro 2013

In www.deco.proteste.pt